Especial dia de aniversário, subida ao Vulcão Villarica em Pucon, Chile

Como foi dito num post anterior, o Autor do blog festejou o seu aniversário no passado dia 27 de Fevereiro. Obrigado a todos os meus amigos que me mandaram mensagens, e também aos outros, que como eu, se esquecem dos aniversários dos outros.

Na altura encontrava-me, como ainda me encontro, em Pucon, que é uma pequena e turística cidade Chilena, rodeada de bonita natureza e em especial vários, belos e ainda activos Vulcões.

De entre as várias actividades que se podem fazer em Pucon, a subida ao Vulcão Villarica é uma das mais famosas, senão a mais famosa.

O vulcão Villarica tem aproximadamente 2900 metros de altura, e ainda se encontra activo. No passado século houve pelo menos 3 a 4 erupções, e uma delas chegou mesmo a destruir totalmente uma pequena povoação.

Nem todos os turistas tentam a subida ao cume, pois requer alguma preparação fisica; no entanto, a nivel técnico nao tem grande dificuldade, e qualquer pessoa pode tentar a ascenção, desde que o faça acompanhado com um guia profissional.

Ouvi falar deste Vulcão através de um rapaz Alemão que conheci no Trekking de Torres del Paine, e na altura ele falou que não tinha conseguido chegar ao topo por culpa das condições meteorológicas. O vento é um problema, pois o enxofre que sai do seu cume é irrespirável, e com o vento fica impossível chegar perto. O frio também é um problema, pois influencia o estado da neve e do gelo, o que pode tornal perigosa não só a subida, mas principalmente a descida.

Ainda antes de o subir, ouvi os relatos de alguns rapazes que estavam no meu hostal, avisando-me que tivesse cuidado na descida, pois em algumas partes era assustadora, visto que é feita em slide;
vários deles tinham saido em voo, incapazes de travar, e parece que várias pessoas costumam partir a perna, quer por sairem a rebolar, quer por ficarem com a perna presa em algum lado. Embora estas historias não me tenham feito desistir, fizeram-me ficar um pouco apreensivo com a descida.

Optei por subir o Vulcão no segundo dia após a minha chegada, que por coincidência calhou ser o meu dia de aniversário.

Aqui vai o meu dia:

7 da manhã; o dia aparenta estar perfeito para a subida: céu limpo, sem vento, e não muito frio. Só no próprio dia sabemos se subimos ou não, pois está sempre condicionado às condições meteorológicas, e mesmo essas podem mudar durante o dia, o que faz com que nem sempre seja possível chegar ao topo. Não foi o meu caso, pois tive a sorte de ter tido um dia quase perfeito para a subida.

O Vulcão Villarica fica situado num parque nacional, que tem o mesmo nome, e que dista aproximadamente 20 kilometros de Pucon. O carro leva-nos até uma altura de aproximadamente 1700 metros, e a partir daí temos a opção de encurtar um pouco o caminho tomando este teleférico, pois a base do vulcao é uma estância de esqui no Inverno.

Aqui estou eu com o meu guia, o Rodrigo, após descermos do teleférico, nos preparativos finais para o início da subida.



Algumas panorâmicas do início da minha subida.


As minhas chinelas!

Olhando para cima...nao, ainda nao vejo o topo.

E olhando para baixo, os vários grupos na sua subida.

Sim, parece que já se vê o topo; parece perto, mas ainda são mais duas horas...



E chegada ao topo!

A cratera! Não tive a sorte de ver a lava a ser cuspida, apenas a conseguia ouvir. Nem sempre temos a sorte de ver a lava; apenas 5 dias antes da minha subida, era possivel ver pequenas partes de lava a serem cuspidas da cratera, o que também dava uma bela imagem nocturna do vulcão, com o seu cume iluminado de laranja.

Obrigado Vulcão, também não era preciso exagerares.

Luta pelo poder...

Do topo podemos observar outros vulcões. O da direita é o mais alto desta região, com 3800 metros de altura, e é partilhado entre Chile e Argentina.
Daqui vemos melhor.
E gostei também deste pormenor, da pedra no meio do gelo.
Para descer usamos estes carreiros, feitos pelas anteriores descidas, e fazemo-lo em slide, com o nosso belo traseiro. Na descida vestimos um novo impermeável, e usamos uma protecção extra para o tal traseiro, que serve também para que escorregue melhor...o traseiro na neve! O travão é o nosso machado, e a força dos nossos braços...e que força!!
Bem!!Demais!Quero mais, quero mais!
Ok, vamos lá mais uma vez!
UUUUUUUUUUUU!!!!!!!!!!!Que adrenalina! Estou molhado até ao figado, e não sinto o braço de dor, de tanta força para tentar travar, mas que descida!!!!!
Chegada à agência, a ver as fotos do dia com o meu guia, e a matar a sede com a nutritiva cerveja Chilena.
Uma passagem na pousada, para um banho, e troca de roupa pela mesma. Achei que merecia uma foto o fim de tarde.
Após o banho, cansado do dia e da cerveja, fui procurar um local para jantar; encontrei um belíssimo restaurante Italiano, onde fabricavam a sua própria pasta e onde acabei por ter uma belíssima refeição, acompanhada do maravilhoso e forte vinho Chileno. Ainda não vos falei do vinho Chileno, mas é dos melhores vinhos que há, de classe mundial e sempre forte. O mais fraco que encontrei até hoje tinha 13 graus, e normalmente bebo vinhos de 14,5!! Fortes, mas muito bons! Muito superiores aos Argentinos. Mas não embebedam. No fim do jantar e após várias deambulações, acabei por acabar a noite no casino local (não sem antes esconder o meu arbusto numa garrafa de vinho à entrada do Casino).

Ok, então é assim: há botões em cima e em baixo. Às vezes uns piscam, outros apagam, e convém carregar primeiro na fila de cima.
Carregar nos botões até as luzes deixarem de piscar.
No fim, recolher todas as fichas e troca-las por dinheiro. :)

4 comentários:

Ines disse...

:) fiquei com um sorriso na cara, com este post!ta muito bem feito...parece uma história! Boa ;)! tens imagens para toda a vida...e sensações indescritiveis tenho a certeza :D! és um sortudo! aproveita tudo e ate ao fim!! beijinhoooooo

Mario Bernardes disse...

MUITOS PARABÉNS!!! E que grande aniversário...
Epá, que brutal! Muito, mas muito fixe mesmo!
Uma continuação de boa viagem e vai-nos continuando a brindar com as tuas fotos.

Tatiana disse...

Vá lá.....deixa lá de lado a mania que és um "che Guevara" e volta pá civilização..."faxavor"!!!
Pelo menos dá pa ver q conheceste uns rapazes seys pelo caminho...ao menos isso...hehe!!!
Bj e boa continuação.........como eu gostava de ter um quinto desse teu espirito aventureiro....mas este meu lado tótó é completamente dominante!!! Hasta muchacho!!

Tiago Prado disse...

Nossa...muito legal o seu post!!

Estou planejando uma ida ao chile no ano que vem..por volta de março/abril...e já estou me progamando. Você poderia me dar alguma dica de agência de turismo especializada na escalada do Villarica? E algum hotel bacana lá em Pucón? Outra coisa, quais outros passeios você acha que são imperdíveis na região de Pucón?

Desde já agradeço a atenção!